segunda-feira, 25 de maio de 2009

Era uma vez um Festival... parte II

Depois de um começo relativamente bem-sucedido no meio musical (chegamos a ter nossa música como a segunda mais votada pelo júri popular!!!!), o Ensino Médio chegava ao seu derradeiro capítulo e nada melhor que uma reprise dos intensos meses dedicados a produzir música do ano anterior, para encerrar-mos esse ciclo de descobertas, parcerias e conhecimento.
Começamos a "trabalhar" pro Festival ainda no começo do ano, e sonhando alto. Queriamos fazer algo com relativa qualidade, trocando o voz-violão por baixo-guitarra-bateria:  uma autêntica Rockband (com direito a guitarras solo e base).
Dividindo as tarefas, fiquei eu novamente encarregado das letras, o sobrinho Ádamo - nosso capitão e grande mobilizador da gurizada - habilmente formava nossa segunda parceria cancioneira, que tinha o Willer na guitarra (um músico espetacular, pra ser justo), o Maurício no baixo e o Hélio nas baquetas, além do próprio Ádamo na guitarra base. Faltava-nos os vocais, e, por absoluta falta de opções, acabei ficando eu mesmo com a bucha (mas por sorte dos ouvintes não cheguei a passar essa vergonha).
Por uma série de imprevistos mesmo com a música pronta não nos apresentamos. Nosso Festival foi intensamente vivido por quase seis meses de ensaios, reuniões, tentativas, idas e vindas... mas ficou apenas o registro e a lembrança do dia em que a gente quase foi uma banda.

Entre a Cruz e a espada
de Ádamo, Willer e Matheus
Festival Aimone em Canto 2002

Tudo começou quando eu a vi
tirou o sentido
no abismo cai
e gritava assim
sussurrando pra mim
"eu sou o que eras
o principio e o fim
guarda o que tens
pega tua coroa
teus tesouros
e vem
vem e vê
não é direito não
todos os teus feitos
não valem mais
vem e vê
não tens mais tempo então
corre pra longe daqui
As tuas leis forjando reis
e condenando os que lutam sem ninguém
tua riqueza é a maldição
só tens a glória
e a ilusão
de que tudo é teu
mas o mundo sou eu
e de mim
só tens traição

Entre a cruz e a espada
te coroaram senhor
teus castelos já ruiram
não tenhas medo
nem amor"

Sou um rei sem coroa
o meu ouro acabou
eu perdi, não tive escolha
foi tudo o que sobrou

Entre a cruz e a espada
há uma certeza de ter
pra sempre um caminho
que me leve
pra longe, longe
longe da dor...

Se a cruz é meu destino
a espada é um caminho
pra viver.

0 comentários:

Postar um comentário