domingo, 29 de maio de 2011

O Sol dos Viajantes

Viajante, olha adiante
descansando no horizonte
desce o sol de todo dia
sombreando os caminhantes

Escondendo seus contornos
entre os muros da cidade
escurecendo os entornos
de um fim de tarde

Traz com ele o sereno
as lembranças de outros tempos
das tantas caminhadas
de verão e de inverno

Corre contra teu inverso
decide, enquanto a luz esvazia
agora já não mais te aquece
como antes aquecia

Viajante, pensa um instante
ou segue em frente
ou vai embora
ou pede socorro

Viajante, não se espante
hoje escurece
amanhã amanhece
de novo

E assim é sempre
sempre

sábado, 21 de maio de 2011

Manual de Instruções (Como Dizer Alguma Coisa Sem Dizer Nada)

Vagão de carga vazia
bolha de sabão na ventania
boca de fogão fria
assombração na luz do dia

não passa da porta
de tanta confusão
empastelou a vida!

e agora? quem desata
a corda que amarra
o guia de instruções
do controle dos botões
da fina sintonia?

domingo, 15 de maio de 2011

Ziguezagueador

Escuta com atenção
o que diz a viração
não te distrai
sai da ilusão
sente o que o vento te tráz
olha bem
cuida o céu
mudando de cor
aquele cinza na nuvem
é chuva que vem
ou é só
alguma outra estação

Pode ser
outro tipo de nó
quem sabe outra dimensão
mas ouve bem
com cuidado
o vento cantando calado
"só pra quem
vai eu espero
quando eu trago
se prende
nas rédeas finas de vapor
pra quem fica
eu aceno
rasgo frio e sereno
no meu passo apressado
ziguezagueador"

Zigue
zague
ador

Escuta com atenção
o que diz a viração
não te distrai
nunca
nem com esse calor

segunda-feira, 9 de maio de 2011

Hotel Viva A Vida

sobrevive do que tem em volta
do que sobrou de mim
num amor mal acabado
num aperto de canto sem ninguém ao lado

sorri sem dizer palavra
sorrir as vezes soa como sim.
simples pra seguir em frente
diante de mim a porta fecha, mas a rua é larga

soprou um vento que não empurra, só abraça
o dia que segue calmo
e a noite vem escura
chuveu solidão por todos os bancos da praça


--------------------------------------------------------------------------------------------------------------
Ganhei de presente o privilégio de postar as primeiras linhas de uma das pessoas mais talentosas que conheço: Marcela, pra nós; Marcela Mescalina, pro mundo. Aqui, sempre que a autora permitir, será um breve repouso de, esperamos nós leitores, muitos outros versos que fatalmente ganharão vida naquele vozeirão da dita cuja. Contudo, reforço o breve, pois ainda tenho fé que chegará o dia em que a autora seja benevolente com seus fãns e crie um blog próprio só com material dela. E de preferência ainda nessa vida, vá que na próxima não exista internet!