quarta-feira, 26 de outubro de 2011

Canteiro de Barro

Trouxe o peso das folhas caídas
das vidas passadas
das sementes plantadas
e do jeito esquisito de dizer tchau


Foi o vento, Margarida
quem levou tua terra macia
e deixou essas pedras de sal


Recolhe tudo de uma vez
o sol vai se pôr daqui a pouco
o Girassol vai dormir, talvez...
ou talvez te fazer sombra
pra assombrar o louco
que te fez

No teu canteiro de barro sovado
enfeitado de Açucenas cantantes
chove sem avisar
quando tem luar minguante

Foi o vento, Margarida
quem marcou essa ferida
na tua raíz

Esse pranto carregado
de verso, abandono e dor
deixou teu caule atrofiado

Mas ouve o ditado
do Cravo ao lado
que sempre diz:
só o tempo,
cara flor,
apaga cicatriz

sábado, 22 de outubro de 2011

Sangrador

O silêncio
submetido
é um sangrador
ensandecido
com fome
de sangue
e dor

Ao silênciador
as delícias
do sadismo
ao silenciado
as carícias
do desamor

quarta-feira, 19 de outubro de 2011

Desapego

Desapego
pro peito

Pro corpo
sossegar

Pro amanseio
da mente

É pertinente
desapegar

sexta-feira, 14 de outubro de 2011

Se Precisar, Tem! Mas Não Espera o Dia Acontecer!

Se precisar
de equilíbrio
desequilibrado
se procurar
por um abraço
meio desajeitado
se faltar
caminho
tem alguns atalhos
por aqui

Não espera
a noite terminar
vem correndo
dá um jeito
de me achar

Eu tenho a solução
ou a solução me tem
conheço bem a cura
de quase todos os males
menos dos que me contém
é tudo resolvível
no meu método
infalível
de problematizar

Não espera
o dia acontecer
quando esgota
a cota
me faço de nuvem
e sem ninguém perceber
viro ar

segunda-feira, 10 de outubro de 2011

Engrenagens Que Fabricam Sonhos

As engrenagens se regulam
se ajeitam sobre sonhos em movimento
descrevem num gingar cadente
maneiras de abraçar o tempo
que não passa despercebido
nos tantos ajustes dessa engenharia
com parafusos pintados de esperança
e os pinos todos moldados em alegria


E as engrenagens engrenaram
e mostraram, de novo:
tudo que se sonha
também se fabrica!

É assim que funciona
pra quem acredita